Contas de luz, em dezembro de 2018, ficaram livres de taxa extra

O leitor, normalmente, se encontra algo sobre “conta de luz” enquanto passeia pela seção de Economia dos mais variados portais de notícias, é então “bombardeado”, por assim dizer. Afinal, quase sempre, a notícia é sobre algum aumento, alguma taxa cobrada a mais, aumentando-se uma conta que, antes, já se encontrava com um valor exorbitante. No entanto, desta vez, você pode ficar aliviado, pois viemos reportar exatamente o contrário: A partir do dia 1º de dezembro de 2018, segundo informou a própria Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) via comunicado divulgado no dia 30 de novembro, eis que passou a vigorar a bandeira tarifária verde. E isso quer dizer, a saber, que nenhum tipo de cobrança extra nós teremos, enquanto consumidores, durante todo o referido mês.

E para quem não sabe, durante o mês anterior a este, ou seja, novembro de 2018, em vigor encontrava-se não a bandeira verde, mas a bandeira amarela, que levava a uma cobrança de R$ 1 a mais, nas nossas contas, a cada 100 kWh (quilowatts-hora) que consumíssemos.

Esta decisão foi então tomada, vale lembrar, ainda que os reservatórios permanecessem em níveis consideravelmente reduzidos. A agência justificou a medida tomada em tal situação porque, segundo as expectativas, a estação chuvosa tenderia a continuar propiciando que as usinas hidrelétricas aumentassem os seus respectivos níveis de produção de energia. De tal modo, consequentemente, também teríamos o fator de risco hidrológico (GSF) recuperando-se. Ambos fatores citados, é preciso pontuar, são de fato os responsáveis por impulsionar a tendência de cair o preço de liquidação de diferenças (PLD).

Assim sendo, explicados esses fatores, faz-se crucial observar que são justamente eles, O GSF e o PLD, que determinam, enquanto variáveis, qual será a cor da bandeira acionada em um determinado mês, a exemplo das já citadas (amarela e verde), da vermelha 1 (rosa) e da vermelha 2. Essas duas últimas são acionadas apenas quando, em escassez de energia, faz-se então necessário, por parte do sistema tarifário, aumentar o custo nas nossas contas de luz.

Por fim, tratemos do histórico deste ano, em retrospectiva: A bandeira verde, com a qual não se tem nenhuma cobrança de taxa extra, vigorou do mês de janeiro ao mês de abril; em maio, no entanto, acionou-se a bandeira amarela; um mês depois, já com a bandeira vermelha 2, tivemos uma taxa extra de R$ 5 a cada 100 kWh, que durou até o mês de outubro.