Guilherme Paulus diz como lidar com a concorrência e dá dicas para vencê-la

Guilherme Paulus tem mais de 40 anos de experiência no ramo do turismo. O empresário, idealizador da CVC, já passou pelos mais diferentes desafios na sua longa jornada. Afinal, transformar uma pequena agência de viagens na maior da América Latina não é fácil.

Foi isso que Paulus conseguiu fazer e, nesse processo, precisou saber trabalhar bem com a concorrência e se destacar. Para exemplificar como encara essa disputa eterna pelo cliente, Guilherme Paulus diz que os empresários podem pensar em como é um torneio de natação.

Em uma disputa dentro d’água, milésimos de segundos podem tirar o atleta do pódio e algo semelhante acontece na competição entre as empresas. Um pequeno detalhe faz com que os clientes escolham o concorrente a você.

Para a agência de viagens isso está ainda mais intenso, relata Guilherme. O empresário enfatiza que, atualmente, além das lojas que vendem os pacotes, é preciso concorrer com os negócios nascidos no mundo virtual. Afinal, há inúmeros meios eletrônicos de comprar passagens e reservar hotéis. Como lidar com isso?

Para Paulus, a internet é maravilhosa, mas é necessário usá-la de forma positiva e eficiente. Além de também estar presente nela, a agência precisa garantir que o atendimento presencial, nas lojas físicas, sejam impecáveis. Afinal, é esse o grande diferencial entre a compra virtual e a física, o atendimento humano. Se ele não for bem realizado, o consumidor não o procurará mais.

Outro ponto que Guilherme Paulus destaca, em relação à concorrência, é que o empreendedor precisa ficar atento à concorrência direta e indireta. Além dos sites de viagens, que são concorrências diretas, ele classifica o orçamento do consumidor como indireta.

Ele lembra que o orçamento do cliente é só um e, dificilmente, quem acaba de investir em um carro, vai ter condições de pagar por uma viagem na sequência. Por isso, o empresário precisa ficar atento ao que acontece não apenas no seu setor, mas ao seu redor e fazer de tudo para não perder venda.

Isso sempre foi levado em conta por Guilherme Paulus que, ainda jovem, quando decidiu focar na CVC, viu que precisaria se adequar às condições financeiras de possíveis clientes. Foi por isso que resolveu começar a parcelar os pacotes de viagens. Essa prática deu certo e ajudou a empresa a acrescer. O ponto positivo foi tão grande que ela mantém essa prática até hoje.

Segundo Guilherme Paulus, alcançar o sucesso é um desafio diário

Com toda a história de sucesso, Paulus também fala como o empresário precisa encarar o seu negócio, para que o sucesso seja alcançado. Para ele, além de acreditar no que faz e ter um objetivo claro, é necessário estar pronto para imprevistos.

Guilherme compara a empresa a um jogo de videogame. Segundo ele, nos dois a pessoa não sabe o que vem pela frente.

Como o inesperado faz parte, o empresário precisa estar pronto para lidar com ele. Segundo o dono da CVC, uma forma de fazer isso com maestria é conhecer o setor a fundo. Assim, quando algo ocorrer fora do controle, a ideia da solução virá mais rapidamente.

Além disso, é preciso entender que diariamente o empresário está em uma competição e, para prosperar, é preciso estar focado e conseguir vencer os concorrentes. Segundo Guilherme, só através de muito trabalho e dedicação isso se torna possível.

O que é empreendedorismo social?

O empreendedorismo social tem tudo a ver com reconhecer os problemas sociais e alcançar uma mudança social, empregando princípios e notícias, processos e operações empresariais. É tudo sobre como fazer uma pesquisa para definir completamente um problema social específico e, em seguida, organizar, criar e gerenciar um empreendimento social para alcançar a mudança desejada. A mudança pode ou não incluir uma eliminação completa de um problema social. Pode ser um processo vitalício focado na melhoria das circunstâncias existentes.

Enquanto um empreendedorismo empresarial geral e comum significa assumir a liderança para abrir um novo negócio ou diversificar os negócios existentes, o empreendedorismo social se concentra principalmente na criação de capital social sem medir o desempenho no lucro ou o retorno em termos monetários. Os empresários neste campo estão associados a setores e organizações sem fins lucrativos. Mas isso não elimina a necessidade de obter lucro. Afinal, os empresários precisam de capital para continuar com o processo e trazer uma mudança positiva na sociedade.

Juntamente com os problemas sociais, o empreendedorismo social também se concentra em problemas ambientais. Fundações dos Direitos da Criança, plantas para tratamento de resíduos e fundações de empoderamento das mulheres são poucos exemplos de empreendimentos sociais. Os empreendedores sociais podem ser aqueles indivíduos que estão associados a organizações sem fins lucrativos e não governamentais que captam fundos por meio de eventos e atividades da comunidade .

No mundo moderno, existem vários empreendedores sociais bem conhecidos que contribuíram muito para a sociedade. O fundador e gerente do Banco Grameen, Muhammad Yunus é um empreendedor social contemporâneo que recebeu o Prêmio Nobel da Paz por seu empreendimento no ano de 2006. O empreendimento vem crescendo continuamente e beneficiando uma grande parte da sociedade.

Rang De é outro exemplo brilhante de uma empresa social sem fins lucrativos. Fundada no ano de 2008 por Ramakrishna e Smita Ram, é uma plataforma on-line de onde os pobres rurais e urbanos da Índia podem acessar microcréditos com uma taxa de juros de apenas 2% ao ano. Os credores de todo o país podem emprestar dinheiro diretamente aos mutuários, acompanhar investimentos e receber pagamentos on-line regularmente.

Enem pode ser usado para entrar em universidades de Portugal; veja a lista de instituições

O Instituto de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) comunica que as pessoas que fazem a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) podem usar a nota para pleitear uma vaga em universidades portuguesas.

A oportunidade é possível graças a um convênio assinado pelo Inep com a Universidade Europeia, que pertence ao Laureate International Universities, que é considerado o maior grupo de ensino superior de todo o mundo.

São 37 universidades de Portugal que aceitam as notas do Enem como parte do seu processo seletivo. Dentre elas: Instituto Politécnico de Viseu; Instituto Politécnico de Santarém; Universidade de Lisboa; Universidade do Porto; Instituto Politécnico de Guarda;Universidade dos Açores; Universidade Portucalense; Instituto Universitario da Maia; Instituto Politécnico da Maia; Escola Superior de Saúde do Alcoitão; Universidade Lusíada; Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário; Universidade da Madeira; Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.

As notas do Enem poderão ser usadas também para pleitear uma vaga nas seguintes instituições: Universidade do Minho; Instituto Politécnico de Setúbal; Instituto Politécnico de Bragança; Instituto Politécnico de Castelo Branco; Universidade Lusófona do Porto; Universidade Católica Portuguesa; Universidade Fernando Pessoa; Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Universidade de Coimbra; Universidade de Algarve; Instituto Politécnico de Leiria; Instituto Politécnico de Beja; Instituto Politécnico do Porto; Instituto Politécnico de Portalegre; Instituto Politécnico do Cávado e do Ave; Instituto Politécnico de Coimbra; Universidade de Aveiro;Universidade da Beira Interior;Sociais e da Vida; Instituto Leonardo da Vinci; Universidade Lusíada-Norte; Escola Superior de Enfermagem de Coimbra; Escola Superior Artística do Porto e Universidade Europeia.

De acordo com notícias publicadas pelo Instituto de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, as oportunidades são para diversas áreas como: comunicação, direito, psicologia, desporto,marketing, informática, gestão, recursos humanos, tecnologias, entre outros.

Esse convênio abre as portas também para estudantes que tenham interesse em fazer mestrado ou doutorado fora do país. Até o momento, segundo o Inep, aproximadamente 1200 brasileiros já estão estudando no Laureate International Universities graças ao convênio.

As inovações tecnológicas para 2019 vão desde de robôs padeiros a televisões com resoluções 8k

A inovação está tomando o centro dos holofotes nesta semana em Las Vegas, onde milhares de empresas estão exibindo novos dispositivos e ideias de tecnologia no evento anual da Consumer Electronics Show. Segundo notícias do grupo organizador, cerca de 182 mil pessoas participaram do evento este ano. Entre eles estarão 4.400 empresas exibindo seus produtos na expectativa de impressionar investidores, analistas e mídia.

“Desde a sua formação, a CES sempre foi um campo de testes, não apenas para produtos que chegarão ao mercado, mas para aqueles que pudessem chegar ao mercado”, disse Patrick Moorhead, analista principal da Moor Insights & Strategy.

Nesse sentido, a seguir estarão listados alguns dos grandes temas que, segundo analistas, podem aparecer no evento.

A TV rollable da LG foi a estrela do show do ano passado e está supostamente se preparando para enviar aos consumidores este ano. Espere ver outras ideias ousadas como essa, incluindo telas duplas ou dobráveis.

Sabemos que os smartphones estão ficando maiores e as TVs cada vez mais finas, entretanto não é apenas as funções básicas que atraem os consumidores, mas a experiência que as pessoas podem experimentar, conforme explica Werner Goertz, diretor de pesquisa do Gartner. Este ano, os avanços em inteligência artificial, software e plataformas definirão a tendência na CES, disse o diretor. A Samsung já está mostrando isso com o anúncio de que está trazendo filmes e programas de TV do iTunes, junto com o Apple AirPlay 2, para suas TVs inteligentes, negando a necessidade de comprar uma Apple TV.

Durante anos, a CES tem sido um show de tecnologia, onde os automóveis se fazem sempre presentes. Dentre eles temos carros elétricos, incluindo o Nissan Leaf, e vários carros autônomos fizeram sua estreia.

Além disso, será possível encontrar no evento não só TVs de 8k, que atualmente estão com valores elevadíssimos, como também robôs, como uma máquina de panificação, a qual é alimentada com farinha e pode produzir até 235 pães por dia, tudo sem ajuda humana. Por fim, temos o Somnox, um robô que acompanha o sono de uma pessoa e até afirma ter um algoritmo para nos levar ao sono profundo sempre que necessário.

A atuação do sócio-fundador da CVC, Guilherme Paulus, no Turismo brasileiro

Se você ouve o nome Guilherme Paulus no setor turístico, precisa saber de quem se trata. sócio-fundador da CVC e presidente do Conselho administrativo da CVC Corp, o empresário ainda pode colocar no hall da experiência o status de membro do Conselho Nacional de Turismo, além da presidência do Grupo GJP.

Nascido em São Paulo, Guilherme Paulus se formou em administração de empresas e acumula mais de 40 anos de atuação na área do Turismo. Na Casa Faro Turismo, o cargo de agente de viagem foi seu primeiro emprego em 1971. Em 72, seu espírito empreendedor o levou a fundar a CVC, juntamente com um sócio. Assim se deu o início da empresa, uma agência de viagens que operava com sede no centro de Santo Andre, no estado de São Paulo.

Em 74, Paulus comprou as ações do então sócio e deu sequência aos trabalhos do empreendimento, investimento com foco no transporte rodoviário. As atividades, como excursão, contavam com um público-alvo principal: os grêmios de grandes empresas instaladas na região do ABC paulista, formados por seus colaboradores.

Mesmo depois de tanto tempo, o alto desempenho continua se consolidando. O executivo Guilherme Paulus conquistou — por meio do trabalho da CVC — o título de maior agência e operadora de viagens da América Latina. A empresa comandado pelo empresário opera milhões de viagens nacionais e internacionais, contemplando transporte aéreo, marítimo e terrestre, além de contar com mais de 800 produtos diferentes.

A atuação do negócio abrange ainda os agentes de viagens independentes credenciados, chamados de multimarcas, ampliando assim a sua atuação.

Com foco na hotelaria, Guilherme Paulus é sócio majoritário de um complexo hoteleiro localizado na Serra Gaúcha: Serrano Resorts Convention & SPA — considerado o melhor hotel da região — e o hotel Alpenhaus Gramado, além do castelo Saint Andrews, todos em Gramado, no Rio Grande do Sul. O último nome é um estabelecimento de luxo, que oferece a experiência exclusive house.

A GJP conta com hotéis e resort em Porto Seguro, Maceió, Porto de Galinhas, Natal, Foz do Iguaçu, Itacaré, Bento Gonçalves e Porto Alegre. Há ainda um ecoresort em Aracaju, empreendimento recente e promissor.

Para complementar as bandeiras de luxo, há especulação sobre a inauguração de um hotel em São Paulo capital. Esse novo negócio promete um restaurante que faz jus ao nível do estabelecimento, além de espaço para eventos. A ideia de fundir o coração metropolitano do estado de São Paulo com uma grande marca luxuosa atende a demanda da região, já que o edifício arrematado por Guilherme Paulus se trata de onde era a conceituada agência de publicidade DPZ, bem localizada na avenida Cidade Jardim.

A expectativa é que o hotel seja entregue entre 2020 e 2021, com seus 65 apartamentos e rooftop para complementar o ar de requinte na cidade. A bandeira ainda não foi divulgada, mas sabe-se que o empreendimento é de luxo e deve ser lançado para estrear uma nova marca do grupo GJP. Há indícios que uma unidade seja construída também no Rio de Janeiro capital, seguindo exemplos de casos de sucesso no mercado hoteleiro, como a luxuosa rede Emiliano.

Alcançar o desenvolvimento sustentável do espírito empresarial

O desenvolvimento do empreendedorismo se concentra no indivíduo que deseja iniciar ou expandir um negócio. O desenvolvimento de pequenas e médias empresas (PMEs), por outro lado, também se concentra no desenvolvimento da empresa, seja ela empregada ou não por indivíduos que possam ser considerados empreendedores. Além disso, o desenvolvimento do empreendedorismo concentra-se mais no potencial de crescimento e inovação do que o desenvolvimento das PME. No entanto, muitas das lições aprendidas com experiências em ambos os tipos de desenvolvimento são semelhantes.

O empreendedorismo é promovido para ajudar a aliviar o problema do desemprego, para superar o problema da estagnação e para aumentar a competitividade e o crescimento dos negócios e das indústrias. Várias tentativas foram feitas para promover e desenvolver o empreendedorismo. Prestando assistência específica para melhorar a competência do empreendedor e sua empresa, de modo a aumentar seus objetivos empresariais e acomodar mais pessoas a se tornarem empreendedores também.

Existe uma tendência generalizada para equiparar o desenvolvimento do empreendedorismo (ED) ao trabalho autônomo. Muitos indivíduos autônomos são de fato empreendedores, mas a maioria não é. Seus negócios são simplesmente microempresas no setor informal, com pouco potencial de crescimento. A promoção do trabalho autônomo é um objetivo que vale a pena, mas não deve ser confundido com ED. Os programas de desenvolvimento de empreendedorismo que, na realidade, se concentram apenas no auto emprego têm menor probabilidade de sucesso na criação de crescimento econômico.

O desenvolvimento do empreendedorismo deve ser sobre ajudar as pessoas a iniciar e desenvolver negócios dinâmicos que ofereçam alto valor agregado. Ao determinar a diferença, é útil examinar setores de crescimento potencial ou áreas geográficas e explorar critérios para selecionar beneficiários que sejam empreendedores. Uma avaliação das necessidades antes da formulação do programa é útil. Uma análise dos setores econômicos de alto crescimento permite um apoio mais focado aos empreendedores nos setores mais promissores da economia.

Programas de desenvolvimento de empreendedorismo devem ser formulados para identificar riscos e determinar a probabilidade de sucesso, identificar os fatores que afetam os níveis de empreendedorismo em um país. Esses fatores incluem a percepção de oportunidade, o grau de respeito dado aos empreendedores, a aceitação de amplas disparidades de renda e um ambiente familiar orientado para os negócios.

Carros voadores são alvo de empresas japonesas

A cada ano que passa a tecnologia e a ciência estão surpreendendo ao trazer novas soluções e novidades que podem facilitar a vida das pessoas, que além de deixar mais fácil a rotina também causa admiração pelas façanhas realizadas e pelas notícias que geram.

A maior surpresa tecnológica no ramo automobilístico é a promessa dos carros voadores para 2023. O impressionante avanço tecnológico está sendo planejado por empresas japonesas como a SkyDrive, apoiada pela famosa Toyota. O voo demonstrativo de estreia está previsto para a Olimpíada de Tóquio em 2020. Parece que os japoneses querem deixar mesmo o mundo de boca aberta com a capacidade tecnológica que possuem.

O empenho do governo do Japão com diferentes empresas do ramo tecnológico está constante para produzir veículos voadores. O prazo para que o projeto esteja concluído é de 2023, assim também como a comercialização dos novos veículos e a permissão do seu uso.

Depois seis meses de reuniões, foi definido um plano de negócio que pudesse regularizar o tráfego pelo ar que tem o prazo de cinco anos. Foram aproximadamente 20 companhias que estiveram envolvidas nessas reuniões e também ministérios do Turismo, Economia, Infraestrutura, Comércio e Indústria, Terra e Transporte.

Tomohiro Fukuzawa, CEO da Skydrive, está envolvido nesse projeto há quatro anos, a sua empresa é uma das envolvidas no projeto. De acordo com Fukuzawa o carro voador é um intermediário entre o helicóptero e o avião, e não possui o preço de nenhum dos dois, sendo o mais acessível e mais simples de pilotar.

São mais de US$ 5 milhões investidos para desenvolver os carros voadores que contam com o apoio de empresas do setor automobilístico e do governo do país.

Fukuzawa recorda que no início a ideia teve uma participação voluntária de vários jovens engenheiros que gostaram do projeto. Inicialmente o tempo desses jovens foi investido para criar uma nova maneira de mobilidade pelo ar.

A organização do evento dos Jogos Olímpicos de Tóquio em 2020 está organizando a apresentação com a Toyota, um dos maiores investidores do carro voador. Depois da demonstração, existe o interesse de que o lançamento do Skydrive aconteça em 2023.

O que é o pelo encravado?

Os pelos são associados da pele que ajudam no isolamento de temperatura e auxiliam na proteção do organismo de agressões exteriores. O pelo é formado por queratina, o que compete ao mesmo resistência e impermeabilidade, e células mortas. Eles nascem no folículo piloso e é composta pela raiz da derme e a haste, a porção que esta acima da superfície do tecido conjuntivo.

O pelo encravado em si pode incomodar tanto homens quanto mulheres, crianças. Nos homens afeta preferencialmente a região da barba, no rosto e no pescoço, e já nas mulheres afetam preferencialmente as pernas, axilas e virilhas.

O pelo encrava ao não encontrar a saída do folículo piloso, e ao não conseguir romper a camada de queratina. O processo de crescimento não para, fazendo com que a haste se curve e penetre no folículo piloso ou cresça debaixo da pele. Para tentar ejetar este corpo estranho, o organismo humano causa uma reação inflamatória chamada de foliculite, caracterizada por causar grandes lesões que se assemelham a espinhas, que coçam e doem. Este problema ocorre na maioria das vezes em pelos com espessura maior e enrolados, especialmente se o individuo tiver cicatrizes ou poros estreitos.

As causas desta enfermidade variam bastante, vão desde a higiene precária, roupas extremamente justas, até o acumulo de células mortas, e lesões na cútis, que obstruem os poros. Entretanto normalmente o pelo encrava quando associado a depilação de forma errada, com cera quente, fria ou com lâmina de barbear.

Hidratar a pele constantemente auxilia na prevenção dos pelos encravados em qualquer depilação, e a esfoliação semanal ajuda na retirada das células mortas, já que a pele esta sempre se renovando. Quando a esfoliação ocorre algumas vezes na semana, ajuda a soltar os pelos que podem estar detidos sob a pele.

É de extrema importância que tudo seja feito de maneira cuidadosa e atenta. Fazer no banho é sempre recomendado, pois os poros estarão abertos. Sabonetes esfoliantes, esponjas ou cremes que ajudam a suavizar as irritações da pele. E depois hidratar a pele, para evitar o ressecamente, o que torna a pele mais propicia a lesões e pelos encravados.

Outras medidas que podem ser praticadas no dia-a-dia são cuidados ao se fazer a barba, que consequentemente ajudam a manter a pele limpa e hidratada, sem pelos encravados. Lavar o rosto com água morna e sabonetes que não irritem a pele, nunca passar a lâmina na pele seca, e passar a mesma no sentido do nascimento dos pelos, nunca ao contrário. Dar prioridade a aparelhos descartáveis. Após o corte, enxágue o rosto com água fria para que os poros sejam fechados e priorizar loções pós-barba.

E o filtro solar para proteger a pele de qualquer tipo de lesão, notícias ou irritação é essencial, principalmente após depilações.

Mais de 120 projetos contra a solidão no Reino Unido receberão financiamento

O Reino Unido divulgou em fontes de notícias que financiará 126 projetos que atuam no combate a solidão. De acordo com as informações divulgadas, esse financiamento será de 100 mil libras para cada uma das instituições. Isso é quase R$ 500 mil, na conversão entre a libra esterlina com o real. As informações sobre o financiamento foram publicadas inicialmente pelo jornal “The Guardian“.

O grande objetivo do Reino Unido é proporcionar condições financeiras para os projetos que atuam no combate a solidão, um dos problemas mais enfrentados atualmente. Esses projetos consistem no envio de voluntários em vilarejos remotos. Eles vão nessas regiões através de vans e levam bolos, chás e café para as pessoas que vivem isoladas.

De uma forma bem lúdica, os veículos destinados a esses trajetos se transformam em espaços funcionais, onde é possível oferecer informações, serviços, conversa e claro, muito apoio para as pessoas isoladas. Dentre essas ações, há vários tipos de pessoas isoladas, como idosos, jovens LGBT, mulheres paquistanesas, entre outras pessoas que passam a viverem praticamente sozinhas em áreas muito remotas.

Ainda no início deste ano, a primeira-ministra Theresa May criou uma espécie de secretária especial que foi chamada de ministério. Essa criação nada mais é do que um órgão da Inglaterra responsável por lutar contra a solidão que aflige milhões de pessoas no mundo.

A solidão já é vista no mundo todo como um problema de saúde, por isso, as ações sociais em cima dessa questão têm se intensificado. Hoje em dia é possível comparar os problemas de saúde gerados pela obesidade, tabagismo e solidão como causas semelhantes. Esse tipo de problema de saúde é ainda uma das principais causas de mortes prematuras e casos de demência em todo o mundo.

De acordo com os dados revelados pela Cruz Vermelha do Reino Unido, em uma população com aproximadamente 66 milhões de pessoas, um total de 9 milhões dessa população relata viver frequentemente sozinha.

Em dezembro deste ano, pesquisadores da Universidade de San Diego revelaram que a solidão pode se tornar ainda mais forte em três períodos da vida, sendo eles: próximo aos 30 anos, entre 50 anos e ao final dos 80 anos.

Empreendedorismo startup

O ceticismo não encontra substância quando dizemos que as startups são as que roubam os holofotes do século XXI. Estamos cercados de startups e se você seguir as notícias, você deve ter formado uma imagem de uma startup como um grupo de caras que começaram um negócio incrivelmente inovador em sua garagem com uma estratégia de negócios inovadora. Mas esta é apenas uma visão cinematográfica de startups. Uma startup real é totalmente diferente da que você tem em mente.

O que é uma inicialização? Uma startup é uma estrutura de negócios criada para resolver um problema entregando um novo produto ou serviço sob condições de extrema incerteza. Muitos empreendedores e renomados magnatas de negócios definem startup como uma cultura e uma mentalidade de construir um negócio com base em uma ideia inovadora para solucionar pontos críticos. Paul Graham, o fundador da Y Combinator, simplificou ainda mais a definição da startup e a associou ao crescimento.

Uma startup é uma empresa projetada para crescer rapidamente. Ser recém-fundado não faz de uma empresa uma startup. Nem é necessário que uma startup trabalhe com tecnologia, nem tome fundos de risco, ou tenha algum tipo de “saída”. A única coisa essencial é o crescimento. Tudo o mais que associamos a startups vem do crescimento.

Crescimento: Essa diferença é porque há uma palavra distinta, “startup”, para empresas projetadas para crescer rapidamente. Se todas as empresas fossem essencialmente similares, mas algumas por sorte ou os esforços de seus fundadores acabassem crescendo muito rápido, não precisaríamos de uma palavra separada. Nós poderíamos apenas falar sobre empresas super bem sucedidas e menos bem sucedidas. Mas, na verdade, as startups têm um tipo diferente de DNA de outras empresas. O Google não é apenas uma barbearia cujos fundadores eram excepcionalmente sortudos e trabalhadores. O Google foi diferente desde o começo.

Uma coisa que diferencia startups de outros negócios é a relação entre seu produto e sua demanda. Startups têm produtos que visam um mercado amplamente inexplorado. Os empreendedores iniciantes conhecem a estratégia perfeita para criar um produto que o mercado deseja e para alcançar e atender a todos eles. Isso desencadeia o rápido crescimento.