Conceitos sobre sustentabilidade são confusos para consumidores, diz estudo

Um novo estudo realizado por pesquisadores da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) revelou que conceitos sobre sustentabilidade é confundido pela maioria dos consumidores, sendo que a maioria deles não priorizam os benefícios que podem ser proporcionamos ao meio ambiente.

De acordo com as notícias divulgadas pela universidade, a ideia principal do estudo era identificar o comportamento dos consumidores em relação aos conceitos sustentáveis. A grande surpresa nos dados foi que há uma confusão em torno do conceito sustentável. Além disso, os dados demonstraram que o nível de informação assim como o nível de escolaridade interfere na forma como as pessoas pensam sobre sustentabilidade.

Segundo a nutricionista Bruna Barone, que também participou do estudo na Unicamp, é preciso investimentos em políticas públicas e educação para que os consumidores entendam um pouco mais sobre o tema, tornando possível uma alimentação mais saudável no país juntamente com ações mais sustentáveis.

“Nosso estudo tem como intuito contribuir para que novas políticas públicas tratem deste tema e promovam a alimentação saudável e equilibrada em todo o país. Isso significa realizar mais campanhas e informar os consumidores sobre o que é sustentável e saudável. Quando a população está desinformada é difícil exigir que ela seja consciente”, explica Bruna Barone.

Os pesquisadores da Unicamp informaram que o estudo contou com a participação de 590 consumidores entre as regiões de Campinas, São Paulo e Jundiaí, todas presentes no estado de São Paulo. Além disso, o comportamento e as crenças desses consumidores também foram considerados para o estudo.

O estudo da Unicamp foi orientado por Jorge Herman Behrens, que é orientador e professor no FEA (Departamento de Alimentos e Nutrição da Faculdade de Engenharia de Alimentos), e faz parte da tese de doutorado da nutricionista Bruna Barone. De acordo com Bruna, esta é a primeira pesquisa relacionada as representações mentais sobre sustentabilidade feita com consumidores brasileiros. Ou seja, esses são os primeiros dados sobre o que motiva os consumidores brasileiros em suas escolhas alimentares.

“Antes deste estudo, eu realizei algumas pesquisas na literatura brasileira para descobrir o que outras pesquisas falavam a respeito da percepção de sustentabilidade no Brasil. Logo de início, descobri que havia poucas informações sobre esse assunto, sendo que os únicos dados que existiam foram obtidos por meio de pesquisas quantitativas utilizando categorias fechadas, como recursos naturais e meio ambiente. Isso mostra que os dados anteriores podem apresentar apenas conceitos que os consumidores se obrigam a dizer, mas não definem o que realmente eles pensam sobre o tema”, informou Bruna Barone.