Ministério da Agricultura aumenta ações para prevenir surto de peste suína

O Ministério da Agricultura informou no dia 25 de junho de 2019 que o Brasil ampliará a vigilância em torno da peste suína africana com o objetivo de evitar a entrada da doença que foi erradicada no país desde 1984. De acordo com as notícias divulgadas pelo ministério, as ações para evitar que a peste suína africana chegue ao país contarão com a distribuição de material informativo explicando as principais características sobre a doença.

O Vigiagro (Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional) já instalou 88 painéis dentre os diversos aeroportos e portos do país com mensagens em português e inglês para que os passageiros estejam informados sobre a doença. Além disso, o Vigiagro também instalou avisos sonoros nesses locais para que os passageiros fiquem em alerta sobre os casos de peste suína africana.

O ministério informou que as pessoas que visitam feiras agropecuárias, fazendas, zoológicos, áreas rurais e outras regiões onde é possível encontrar suínos ou javalis, devem procurar pelo balcão de atendimento do Vigiagro para aprender a prevenir a contaminação. De acordo com o ministério, viajantes que trazem produtos de origem suína são os que mais oferecem a possibilidade de contaminação. Por isso, eles devem procurar por informações sobre a doença.

Embora a doença seja inofensiva para os seres humanos, a peste suína africana é fatal para os suínos. Em todas as regiões onde a peste foi constatada, os rebanhos de suínos foram drasticamente reduzidos, como tem ocorrido fortemente em países da Ásia.

A China já está entre os países mais afetados pela peste suína africana em todo o mundo. Atualmente, são mais de 120 surtos registrados pelo país em torno da doença desde o mês de agosto do ano passado. No Vietnã, o número de abates de porcos causados pela peste chegou a 2,8 milhões.

De acordo com dados divulgados por analistas do Rabobank, a produção nacional de carne suína na China poderá chegar a 38 milhões de toneladas neste ano. Para comparar, mesmo com a peste suína africana constatada em agosto do ano passado a China fechou o ano com o registro de 54 milhões de toneladas de carne suína.