Felipe Miranda, fundador da Empiricus, fala sobre a atuação da empresa no mercado

Possivelmente você já ouviu falar da Empiricus, foi recomendado a assinar sua newsletter. Felipe Miranda, fundador da empresa foi entrevistado pelo canal Econoweek e falou um pouco sobre o modelo de negócio da empresa, o marketing agressivo, entre outros pontos que você vai saber nas próximas linhas. Boa leitura.

De acordo com Felipe Miranda, a Empiricus é uma publicadora de conteúdo, no caso, voltado para pessoas que querem investir e não atua como uma corretora.“A gente não pega dinheiro de ninguém. É diferente da corretora, você paga pela ideia e não por um produto”, ressalta.

É um modelo que funciona em vários países, inclusive nos Estados unidos. Por meio de seus relatórios enviados por e-mail, ela dá sugestões dos melhores investimentos. Nesse modelo de negócio, o investidor não deposita seu dinheiro na empresa e sim nos investimentos sugeridos.

A proposta de valor da empresa, é que seus assinantes possam obter ganhos com as informações. Por conta da escala que Empiricus chegou e sua importância no mercado, hoje ela conta com 33 especialistas em finanças que pesquisam e analisa o mercado constantemente, e assim formam a maior equipe de finanças do país. São profissionais com vocação para o assunto, que estão constantes formação.

Com essa equipe extremamente qualificada, a Empiricus consegue passar informações interessantes para as pessoas físicas que querem investir na bolsa, por exemplo. “Entendemos que estamos no mercado editorial e não em valores mobiliários”, ressalta Miranda. Assim, a empresa pode atuar de forma mais livre.

O marketing agressivo

O marketing foi o ponto crucial para conseguir essa escala que a empresa se encontra. Sem ele, uma empresa não consegue se manter no mercado, principalmente se for um negócio disruptivo como é o caso da Empiricus. Quando ela passou a ter mais clientes, conseguiu aumentar a equipe e a qualidade das publicações.

“A gente precisa impactar muita gente”. Essa é justificativa de Miranda para as campanhas publicitárias, em que é possível multiplicar o patrimônio se seguir as estratégias difundidas pela companhia. Para ele, o modelo visa impactar o público para aumentar sua cartela de clientes, assim consegue manter a estrutura da empresa, fornecer insights de oportunidades e ajudar as pessoas.

De acordo com Miranda, em seus 10 anos de mercado, a empresa acumulou mais de 340 mil assinantes e que ⅓ dos investidores da Bolsa são compostos de assinantes da dos boletins da empresa. Ele ressalta que eles recebem mensagens claras e com responsabilidade, um dos segredos do sucesso.