Empiricus busca a compra de 50% do capital pertencente a empresa estrangeira

Brasileiros que fazem parte da bancada de sócios pretendem recomprar a parte pertencente a empresa Agora Inc. Desde 2013, a Agora Inc tem metade da participação da empresa de conteúdo financeiro. Entenda o caso.

Pouco antes da XP Investimentos anunciar a abertura de seu capital no mercado aberto, outra empresa de grande expansão no mercado financeiro do país prepara planos para o curto e médio prazo. No fim de 2019, o Globo apurou que os sócios brasileiros da Empiricus têm interesse em recomprar os 50% de participação da Agora Inc.

A EXAME também confirmou a notícia com executivos com ligação às companhias. Segundo a EXAME apurou, as conversas se iniciaram, mas não há consenso quanto ao valuation da empresa. Quando procurada, a Empiricus não quis comentar o caso.

Outros planos para o futuro

Além da recompra do capital estrangeiro, a empresa possui plano ambiciosos para o futuro, entre eles a entrada em negócios novos e mercados, bem como a abertura do capital no longo prazo.

A empresa também estuda intensificar a parceria com a gestora de investimentos Vitreo, com firmou a colaboração mútua em 2018. A companhia, criada pelos sócios Paulo Lemann (filho de Jorge Paulo Lemann) e Alexandre Aoude teve uma grande evolução após o acordo.

De acordo com a EXAME, em um ano, a parceria rendeu mais de 40 mil clientes à Vitreo, o que representa um crescimento médio de 10% ao mês. A Empiricus não descarta um aprofundamento dessa relação, inclusive pode ser intensificada nos próximos meses.

Muitas dos negócios futuros da empresa ainda dependem da conclusão de um processo administrativo junto a CVM (Comissão de Valores Mobiliários), que se arrasta desde 2018. No processo, o órgão questiona a autonomia da empresa em fazer análises.

Sobre essa questão, a companhia afirma que procura se aproximar do regulador, e tem mantido um diálogo construtivo para a resolução dessa pauta.

Quem é a Empiricus?

É uma empresa que atua no mercado editorial de conteúdo fundada em 2009 pelos sócios Caio Mesquita, Rodolfo Amstalden e Felipe Miranda. Sua principal frente é a análise financeira.

Nos últimos anos, a empresa apresentou uma grande evolução no mercado. Em um período de cinco anos, o número de assinantes de seus relatórios chegou a marca de 365 mil.

Em 2019, a Empiricus passou por mudanças estruturais em seu quadro de diretores. A mais importante delas foi a troca de funções de seus fundadores, assim, Caio Mesquita volta a ser CEO da companhia e Felipe Miranda passa a ser CIO da empresa, um diretor responsável por integrar novas frentes de negócios.

Empiricus aprende a lição após case Bettina e apresenta departamento de compliance

Seis meses após a veiculação do anúncio de Bettina, a Empiricus faz pedido público de desculpas, apresenta evolução em seu departamento de compliance e demonstra alinhamento com entidades reguladoras.

Possivelmente você se deparou com o anúncio de Bettina em março de 2019 em alguma rede social. No infomercial, a copywriter afirma ter transformado um investimento de mil reais em um patrimônio de milhão de reais em pouco mais de três anos seguindo os conselhos da marca.

A repercussão não foi das melhores, gerando multas do Procon e o pedido de retirada do Conar. Além disso, a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) criou uma série de orientações para a publicidade das empresas de análise financeira.

Após seis meses, um novo vídeo foi produzido pela Empiricus, só que desta vez Bettina pede desculpas pelo relacionamento com os espectadores ter começado da forma errada. Segundo ela, foi passada a mensagem equivocada de que seu patrimônio teria crescido de forma rápida ou fácil, e que deveria ter ficado claro que foram feitos outros aportes para chegar ao montante de um milhão.

No vídeo, a copywriter ressalta que nem ela e nem a empresa ganharam nada com a repercussão por se tratar de uma publicidade para promover um curso gratuito online. No curso eram abordadas informações para novos investidores, com interesse em multiplicar seu patrimônio de forma conservadora ou de risco como a bolsa de valores.

Compliance referência

Mais do que o pedido de desculpas, a postura da Empiricus foi louvável. Inicialmente a companhia trouxe nomes ainda mais técnicos para sua equipe, reforçou a rigidez em seus processos internos e cuidou da comunicação externa, dando vários passos na evolução de seu compliance (departamento responsável por adequar as atividades com a legislação vigente).

Para se ter uma ideia, nenhuma empresa que atua no mercado de conteúdo financeira possui um compliance tão bem estruturado, algumas delas nem ao menos possuem um departamento de compliance.

Hoje, a Empiricus é referência em seus processos e também demonstra alinhamento com as reguladoras, em especial a CVM, com quem teve problemas anteriormente. O posicionamento era de que o órgão não tinha poder fiscalização sobre suas atividades, visto que a empresa atua no mercado editorial e não é uma casa de análises.

Uma das orientações da entidade era criação de alertas de riscos na publicidade dos players de análise financeira. Para isso, a marca desenvolveu alertas de riscos com mensagens sobre as operações financeiras. Basicamente elas informam que lucros passados não garantem rendimentos no futuro.

A marca

Após seis meses do caso Bettina, a empresa deu passos largos para reforçar a confiança do público. Com mais de dez anos de mercado, a Empiricus é referência em diferentes temas. São mais de 360 mil assinantes e uma equipe de pesquisa financeira de cerca de 300 profissionais. Atualmente, está instalada na Avenida Faria Lima, um dos centros de finanças mais importantes do país.

Como a Empiricus tem se adequado diante dos desafios presentes no mercado financeiro

Quando a companhia Empiricus foi fundada, no final da década passada, as coisas se apresentavam de maneira diferente, tanto em relação à economia, quanto no que diz respeito às formas de se gerir um negócio. Com o passar dos anos, entretanto, algumas modificações se fizeram necessárias no que tange à dinâmica das corporações, algo que também ocorreu em relação à empresa em questão, já que seus idealizadores buscavam por torná-la adaptada às novas demandas do mercado.

Vale ressaltar que a companhia possui na divulgação de informações sobre os andamentos financeiros da atualidade sua principal oferta de serviço. Localizada em São Paulo, trata-se de uma organização que atua também como indicadora das principais tendências de investimentos, ainda que a decisão final seja sempre do próprio cliente, que na verdade assume o papel de investidor.

Como meio de promover adequação do que é ofertado pela corporação, a direção da empresa passou a incorporar serviços de CRM, com destaque para a Salesforce. A alteração em sua gestão de dados foi vista como uma forma de se conseguir com que a clientela de mais de 180 mil assinantes se visse atendida dentro de sua gama de necessidades. Além disso, o novo sistema implementado dentro da Empiricus também contempla os potenciais clientes, ou seja, os usuários que em um primeiro momento são leitores esporádicos das publicações.

O sistema adotado em conjunto com a Salesforce, de acordo com o que foi divulgado através de representantes da própria companhia, teve um caráter de fortalecimento da marca. Em virtude de se tratar de um modelo de negócio que atua exclusivamente de modo digital, seus gestores se viram impelidos a conceder soluções em tempo cada vez mais ágil aos seus usuários. Havia também a necessidade de se promover maior engajamento da clientela presente na Empiricus.

Para a executiva Beatriz Nantes, que responde pelo departamento de Marketing Interno da empresa, vários benefícios foram percebidos após a Empiricus ter passado a empregar o novo serviço. Dentre o que foi elencado por ela, as entregas dos e-mails de propagandas se tornaram mais eficientes. Ela também destacou que a corporação passou a contar com ferramentas de mensuração de resultados de marketing.

Animados com os resultados que foram alcançados, os gestores se viram motivados a explorar as funcionalidades de outras ferramentas de mesma natureza. Assim sendo, passaram a gerir suas demandas através de um serviço de armazenamento em nuvem, o chamado “Service Cloud”. Neste caso, contudo, os setores que começaram a trabalhar com este serviço foram aqueles que se relacionam diretamente com os clientes.

Quanto às próximas mudanças, há a expectativa de que as televendas sejam contempladas com a adoção de um sistema que também empregue tecnologia Cloud. Como já se pode verificar em relação a algumas companhias de outros segmentos, a Empiricus ingressará em um sistema de trabalho multicanais, o que deverá expandir as opções de comunicação que os clientes terão à sua disposição. Dessa maneira, os consumidores poderão se expressar em razão de novos canais, tais como chat, sms e push notification.